skip to Main Content
Jejum intermitente

Conhecida como uma dieta que pode ajudar a melhorar a imunidade a colaborar com a desintoxicação do organismo, o jejum intermitente é um dos maiores aliados a quem quer perder uns quilinhos a mais. Esse tipo de jejum é aquele onde não se pode comer alimentos sólidos entre 16 e 36 horas seguidas.

Geralmente focada em uma alimentação baseada com comidas de baixo teor de gorduras e açúcar, o jejum intermitente é uma estratégia, onde se inicia com 14 ou 16 horas sem comer, apenas ingerindo líquidos, com água e chás/cafés sem açúcar.

Contudo, para iniciar esse tipo de dieta é aconselhado que seja para pessoas saudáveis e necessário o apoio de um médico ou profissional da saúde.

Como fazer o jejum intermitente?

São diversos os métodos para realizar o jejum intermitente. Contudo, todos os formatos desta dieta requerem um período de restrição na ingestão de alimentos, intercalando-se com um período em que se pode comer.

Assim, para quem nunca realizou a dieta, é recomendado iniciar com o jejum intermitente por uma vez na semana, sendo, no máximo, 16 horas. Dessa forma, o período de jejum pode ir aumentando gradualmente, conforme a adaptação de cada pessoa.

Além disso, antes de começar com o período de jejum, se recomenda uma refeição com baixa quantidade de carboidratos. Afinal, dessa forma é mais fácil ficar sem fome durante o período de jejum. Ainda, nas quatro primeiras horas, o organismo usa a energia fornecida pela última refeição.

Como fazer jejum intermitente

A dieta varia conforme a duração do período de vezes, além da quantidade de vezes na semana em que se é realizado. Assim sendo, essas são as principais formas:

  • 16 horas: é quando se fica entre 14 a 16 horas sem comer, incluindo o período de sono. Nas outras 8 horas restantes do dia é liberado comer.
  • 24 horas: se faz jejum em um dia inteiro por duas ou três vezes por semana.
  • 36 horas: é um dia e mais metade do outro sem comer. Este tipo de jejum deve ser feito apenas por pessoas mais acostumadas com a dieta e sob a orientação de um médico de confiança.
  • Comer 5 dias e restringir outros 2 dias: nessa forma se come por 5 dias da semana normalmente, podendo escolher dois dias para reduzir a quantidade de calorias para, em torno de, 500 por dia.

Vale destacar que, no período de jejum, água, chás e cafés sem açúcar ou adoçantes estão liberados. Além disso, nos primeiros dias é normal sentir muita fome. Contudo, o corpo se acostuma com o passar dos dias, fazendo com que o processo fique ainda mais fácil.

Assim também, depois do período de jejum, recomenda-se comer alimentos de fácil digestão e com baixo índice glicêmico. Além disso, evite o excesso de gorduras ou açúcares, a fim de garantir os resultados do jejum intermitente

Quais são os alimentos indicados?

Após o período em jejum, é importante fazer uma alimentação de baixo índice glicêmico. Dessa forma, é preciso garantir uma boa capacidade digestiva e o bem estar. Assim, pode incluir:

Depois do jejum, algumas frutas também podem ser consumidas junto com a refeição. Assim, as mais recomendadas são a maçã, morango e framboesa. Vale destacar que, quanto mais tempo realizando o jejum, menor deve ser a quantidade de comida – principalmente na primeira refeição.

Quais alimentos não devem ser consumidos?

Assim como dito anteriormente, os alimentos de baixa glicemia e com pouca gordura e açúcar são os mais recomendados. Dessa forma, deve-se evitar batata frita, molho branco, sorvete, bolachas ou comidas congeladas.

Além disso, para conquistar melhores resultados, é importante realizar, junto com o jejum intermitente, atividade física. Assim, indica-se caminhada ou academia. Contudo, nunca de estômago vazio e com o acompanhamento de um profissional adequado.

Quais são os benefícios do jejum intermitente?

Os principais benefícios do jejum intermitente são:

  • Ajudar a emagrecer: como ficar um período sem comer diminui os níveis da insulina no sangue, o jejum intermitente ajuda a estimular o organismo a usar as reservas de açúcar e as células de gordura. Dessa forma, ajuda diretamente no emagrecimento.
  • Regular os níveis de colesterol e triglicerídeos: a alimentação realizada antes e após o jejum deve ser pobre em açúcar e gordura, além de ser rica em fibras. Assim, favorece a eliminação do excesso de gordura, ajudando a melhorar os níveis de colesterol e triglicerídeos no sangue.
  • Prevenir a pressão alta: o jejum diminui os níveis de gordura ruim (LDL) e aumenta a gordura boa (HDL), o que facilita a circulação de sangue e aumenta pressão alta.
  • Prevenir a flacidez: o jejum intermitente faz com que haja um aumento nos níveis do hormônio GH (o hormônio do crescimento) no sangue. Dessa forma, facilita a queima de gordura do corpo, além de aumentar a massa muscular, prevenindo a flacidez.
  • Desintoxicar o organismo: ficar sem comer por um certo período, além de beber água e evitar alimentos gordurosos faz com que diminua os níveis de açúcar no organismo, equilibrando a flora intestinal e desintoxicando o organismo. Com isso, evita problemas, como a asma, câncer e artrite.
  • Prevenir o envelhecimento precoce: reduzir o consumo do açúcar e da gordura, além de priorizar os alimentos ricos em fibras e vitaminas, ajuda a diminuir a inflamação, além de promover a hidratação, aumentar a produção de colágeno e diminuir as rugas e envelhecimento precoce.

Além disso, durante o período de jejum intermitente é possível se sentir mais alerta, ter melhora na memória, contar com uma maior disposição e humor, junto com uma sensação maior de bem estar.

Quando não é indicado realizar o jejum intermitente?

Mesmo sendo uma dieta boa, há caso onde não se recomenda o jejum intermitente. Dessa forma, em casos de anemia, pressão baixa, problemas renal e hipertensão, além de casos em se precisa usar remédio controlado se faz contraindicado. Além disso, não deve ser feito por crianças, pessoas com história de bulimia ou anorexia, com diabetes, pouco peso, grávidas ou que estejam amamentando.

Assim, é importante realizar uma consulta com um médico de confiança, a fim de realizar os exames periódicos e saber se está correto em começar com este tipo de dieta.

Foto destaque: Reprodução / Tribuna de Minas 

This Post Has 0 Comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *