skip to Main Content
queimadura na pele

O verão está chegando e, com ele, muitas dúvidas sobre como se cuidar surgem – principalmente quando está relacionado à pele. Afinal, é a camada mais exposta e que mais sofre com os danos externos no dia a dia. Com isso, as doenças podem aparecer e dar trabalho para quem quer aproveitar uma piscina, mar – o que pode gerar problemas além.

Vale lembrar que durante o verão, especialmente, se recomenda o uso de protetor solar, óculos de sol, roupas frescas e calçados abertos. Além disso, é importante uma boa hidratação, bebendo bastante água, e evitar a exposição solar entre as 11h e 16h.

As doenças de pele mais comuns

Queimaduras de sol

Quando a pele fica exposta ao sol por muito tempo, pode acabar ficando avermelhada e muito sensível ao sol. Isso significa que a mesma foi danificada e foi queimada pelos raios solares.

Sendo assim, pessoas que possuem a pele mais clara e que geralmente ficam mais expostas para tentar pegar um bronze tendem a sofrer mais com queimaduras. Contudo, vale destacar que é preciso ter cuidado. Afinal, uma queimadura do sol pode acabar gerando uma insolação.

  • O que fazer: os sintomas podem ser aliviados através do uso de compressas de água fria, além de analgésicos e loções corporais calmantes. Dessa forma, a pele tende a se soltar depois de, cerca de, cinco dias. Assim, é aconselhado que se beba bastante água, evitando o ressecamento da pele. Caso a mesma se solte, é importante não removê-la e deixá-la se soltar sozinha, principalmente durante o banho. A pele que está por baixo é mais fina e conta com maior facilidade de queimar (por isso, deve ser protegida mais ainda com o filtro solar).

Micoses

Também mais conhecidas cientificamente por micose de praia, o pano branco ou o pitiríase versicolor é causada pelo fungo Malassezia furfur. Dessa forma, se trata de uma alteração da cor da pele, ocasionada pela infecção desse fungo.

Mesmo que o mesmo já esteja naturalmente presente na pele humana, as manchas do pano branco podem aparecer em pessoas que possuam predisposição genética. Ou seja, aparecem com maior frequência no verão, por conta do calor, umidade ou até pela oleosidade da pele.

  • O que fazer: nestes casos é importante consultar um dermatologista, que irá indicar o melhor tratamento. Geralmente, realiza-se a aplicação de cremes ou loções diariamente até as manchas da pele sumirem por completo.

Espinhas e cravos

A exposição ao sol e o calor, algo típico de verão, tende a agravar a oleosidade da pele. Dessa maneira, isso favorece o surgimento de cravos e espinhas.

Nos primeiros dias de maior exposição solar, a tendência é de que a pele fique um pouco mais seca. Dessa forma, parece que diminui as espinhas. Ou seja, com o passar do tempo, a resposta natural do corpo é o corpo aumentar a oleosidade natural da pele, o que aumenta a acne.

  • O que fazer: para o rosto, é recomendado passar um filtro solar para o tipo correto de rosto. Afinal, estes geralmente não são oleosos. Além disso, lave o rosto com sabonete e use cremes e/ou loções própria para acne, que também podem ajudar a controlar os sintomas, deixando o rosto livre de cravos e espinhas. Vale lembrar que quem ficar mais tempo exposto ao sol deve evitar de espremer os mesmos, pois pode ficar manchado.

Brotoeja

Mais comuns em bebês e crianças, a brotoeja geralmente aparece mais em dias muito quentes. Isso acontecer por conta da pele ficar úmida devido ao suor. Dessa maneira, as áreas mais afetadas são o pescoço, nuca, peito e barriga. É preciso dar atenção às costas e dobrinhas de joelho e cotovelo.

Em alguns casos, pode causar coceira – o que faz com que a criança fique muito irritada e chorando. Em outros casos pode demonstrar falta de interesse até na hora de brincar.

  • O que fazer: geralmente não se realiza algum tratamento específico, mas usar roupas frescas e evitar locais muito quentes e úmidos pode ajudar a diminuir a incidência da brotoeja. Além disso, usar um pouco de talco nas regiões mais afetadas pode ajudar. Contudo, é preciso atenção. Afinal, se a criança transpirar, o talco pode agravar a situação e piorar essa doença de pele.

Queimadura por limão

Mesmo não sendo levado a sério por muitas pessoas, a queimadura por suco de frutas cítricas pode ser grave e é muito comum quando fala-se de doenças de pele. Afinal, quando se tem o contato direto da bebida com a pele e a exposição ao sol gera-se uma mancha escura na pele, que é chamada de fitofotomelanose.

Depois da queimadura, a região pode ficar avermelhada, com bolhas ou somente mais escura. Geralmente, as áreas que mais são afetadas são as mãos, braços, colo e rosto – que podem ser afetados com apenas uns respingos da fruta.

Apesar de ser mais comum com limão, a laranja, tangerina e a toranja também podem causar esse tipo de lesão. Ou seja, é preciso de cuidado para quem gosta de beber alguma caipirinha na beira da praia ou até um suco.

  • O que fazer: quando acontece de se formar bolhas, o tratamento é o mesmo que em casos de queimaduras por água. Ou seja, pode-se aplicar uma camada fina de ovo crua. Isto ajuda com a regeneração da pele lesionada. Contudo, a situação é diferente para quando a pele está manchada ou escura. Assim, pode ser útil aplicar uma locação ou pomada. A melhor opção, porém, é consultar um dermatologista, que irá realizar e explicar os melhores procedimentos para cada caso.

Foto destaque: Reprodução / Eshoje

This Post Has 0 Comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *