Lesões comuns de ciclismo: tratamento e prevenção - Blog Unicpharma
Lesões Comuns De Ciclismo: Tratamento E Prevenção

Ninguém gosta de se ver forçado a sair da bicicleta devido a lesões. Portanto, reunimos alguns dos problemas mais comuns enfrentados pelos ciclistas e aconselhamos como tratá-los e preveni-los.

Decerto o condicionamento físico pode ser inconstante. Num minuto você está na forma de sua vida e no próximo você se vê lutando para girar os pedais sem dor. Lesões no ciclismo são uma parte infeliz da relação da maioria dos pilotos com a bike. Algumas pessoas acabam sendo mais propensas do que outras, mas a maioria dos ciclistas acabará saindo da bicicleta em algum momento.

Alguns problemas comuns vividos por ciclistas podem se tratar e evitar com cuidados domiciliares. Reunimos os mais comuns e alguns dos conselhos que recebemos sobre esses problemas para ajudá-lo se estiver sofrendo. É importante lembrar que seu corpo é uma rede conectada. Os sintomas podem não representar a causa real e se uma lesão for persistente você deve consultar um profissional, como um fisioterapeuta ou osteopata, que pode ajudar a identificar e tratar a causa.

Leia também

Lesões por impacto

As colisões são um efeito colateral infeliz do ciclismo. O conselho óbvio é procurar atendimento médico se você sofreu uma queda forte. Mesmo que nenhum osso esteja quebrado, você pode ter batido com a cabeça. A concussão pode exigir descanso significativo (como um tempo longe das telas) e não deve ser considerada levianamente. Uma das lesões mais comuns para um ciclista é a clavícula. A boa notícia é que isso geralmente leva cerca de seis semanas para cicatrizar, mas você ainda pode usar o turbo trainer nesse meio tempo.

Como se recuperar com sucesso após um acidente

As tensões musculares são lesões de impacto menos óbvias. Músculos tensos podem fazer com que você compense em excesso, resultando em lesões por uso excessivo. A tentação faz você querer voltar para a bicicleta o mais rápido possível – mas às vezes é uma boa ideia fazer um descanso extra ou até mesmo um check-up com um fisioterapeuta ou osteopata antes de voltar a andar após um acidente.

As lesões menos sérias, mas geralmente mais irritantes, causadas por um acidente, é a erupção cutânea. Este é um arranhão na pele causado por bater e frequentemente derrapando no asfalto. Por mais que possa doer, é importante limpar cuidadosamente a erupção cutânea assim que chegar em casa (por limpar, queremos dizer esfregar, desculpe), antes de usar um bom creme anti-séptico. Mantenha-o limpo e seco pelos próximos dias para uma boa recuperação.

Quando se trata de prevenção de acidentes, andar dentro de seus limites e seguir linhas seguras pode ajudar, mas às vezes não há nada que você possa fazer para evitar algumas lesões.

Dor na região lombar

Horas gastas curvadas sobre o guidão significam que uma das lesões mais comuns que os ciclistas sofrem são as dores lombares. Acrescente-se que muitos de nós temos empregos que exigem mais sentar e inclinar-se sobre telas de computador e o problema atinge novos níveis na pandemia.

A dor nas costas não para por aí. Muitas vezes os músculos da parte inferior das costas são afetados e podem levar a mudanças na postura. Logo, pode afetar outras áreas. Em particular, o músculo piriforme que começa na parte inferior das costas e se conecta à superfície superior do osso da coxa. A irritação aqui pode se manifestar como dor no quadril ou em qualquer parte da parte inferior da perna, pois o nervo ciático, que vai da parte inferior das costas aos dedos dos pés, pode ficar perturbado quando o piriforme está tenso.

Dicas para uma recuperação eficaz após o ciclismo

Se você sofre de dor lombar, descanse um pouco, alongue as costas e os quadris e tente usar um rolo de espuma. Se o problema persistir, consulte um profissional como um osteopata, que pode acalmar os sintomas. Em seguida, procure fazer algumas alterações para evitar uma recorrência. Os principais itens a serem observados são:

  • Posição na bicicleta: se a sua posição for muito agressiva com uma haste longa / tubo superior e guidão baixo, pense em aumentá-los para aliviar a pressão;
  • Posicione-se fora da bicicleta: se você trabalha em uma mesa, pense na sua postura. Investir em um travesseiro Mckenzie (travesseiro redondo que fica na parte inferior das costas e ajuda a manter uma boa postura) é uma boa ideia e você também deve verificar se sua configuração não incentiva a torção desajeitada e se sua cadeira é confortável;
  • Força do núcleo: se os músculos do núcleo não estiverem fortes o suficiente, a parte inferior das costas entrará em colapso na bicicleta, causando tensão excessiva. Trabalhar em sua força central também o tornará um piloto mais poderoso, pois suas pernas empurrarão os pedais a partir de uma base mais forte – portanto, ganha em todos os sentidos.

Dor no joelho

O joelho (cuja capa se chama patela) é uma junta entre a parte superior e inferior da perna – e ela se solta quando algo não está se movendo direito, puxando-o na direção errada. O tratamento da dor no joelho frequentemente envolve repouso, massagem, espuma e o uso de gelo ou anti-inflamatórios, em primeiro lugar. Então, você precisa chegar ao fundo da causa. A dor no joelho muitas vezes resulta de um problema de ajuste da bicicleta. Se for esse o caso, existem coisas fáceis de procurar.

  • Dor na frente do joelho – chamada dor anterior do joelho – geralmente vem de uma sela que é muito baixa e, portanto, coloca uma pressão indevida na patela.
  • Dor atrás do joelho – dor posterior do joelho – geralmente surge quando a sela está muito alta, alongando as inserções dos isquiotibiais.
  • Dores laterais e mediais presentes na lateral do joelho e podem ser causadas pela configuração incorreta da presilha, fazendo com que o joelho acompanhe incorretamente.

Outra causa comum é uma faixa IT apertada – o tecido fibroso que desce pela parte externa da coxa. Isso pode puxar a patela, causando rastreamento incorreto e é resolvido de forma muito eficaz com massagem e espuma.

No curto prazo, a fita kinesio também pode ser eficaz em forçar uma correção no rastreamento, mas é um exemplo de como lidar com o sintoma e não com a causa – a banda de TI ainda precisa ser afrouxada.

Dor no pulso, braço, mão e pescoço

Pescoço

As dores no pescoço e nos pulsos geralmente são lesões causadas quando muita pressão é transmitida pela parte superior do corpo.

Em um mundo ideal, cerca de 60% do peso do corpo está posicionado na parte traseira da bicicleta e 40% na frente. Se passar muito pelo guidão, seus braços e pulsos sofrerão uma surra. Portanto, a primeira coisa a verificar é se o seu alcance não é muito longo e se o guidão não está muito baixo.

Dor no pescoço também pode surgir se as barras estiverem muito baixas, pois o motociclista se vê forçado a hiperestender os olhos para ver o que está à frente.

Pulso

A dor no pulso pode ocorrer quando a posição do guidão está forçando um ângulo não natural. Você pode ajustar a posição do guidão e do capô afrouxando os parafusos da haste. Girar as barras para cima terá o efeito de reduzir ligeiramente o alcance.

Optar por guidões compactos ou rasos também reduz a distância criada ao andar em declives e pode ser uma boa opção para ajudar a aliviar a pressão. O formigamento nos dedos pode ser causado pela pressão no nervo ulnar. Isso ocorre entre o anelar e o dedo mínimo, problema chamado de neuropatia ulnar ou paralisia do guiador.

A compressão do nervo mediano – que causa formigamento no polegar, indicador, dedo médio e anular – se chama síndrome do túnel do carpo. As luvas e as luvas de ciclismo têm áreas acolchoadas para ajudar a prevenir a compressão do nervo – então, se você estiver lutando, um par de luvas de qualidade seria um bom começo. No entanto, isso pode se tornar uma lesão contínua, portanto, se a dormência persistir, é uma boa ideia consultar um médico.

Dores nos pés

Dor no pé é comum em ciclistas – e isso não deveria ser uma surpresa. Os watts gastos em cada pedalada percorrem nossos dedos do pé cintilantes e insistimos em afunilar nossos pés em sapatos de sola rígida.

Acrescente que a maioria dos ciclistas tem apenas um par de sapatos de ciclismo para atender aos passeios de verão, quando nossos pés incham. E aos passeios de inverno, quando os embalamos com meias. E você pode ver onde podem surgir problemas.

PÉ QUENTE NO VERÃO

Pé quente é comum uma sensação de queimação, dormência ou dor na parte inferior do pé. Em grande parte, surge como resultado da pressão sobre os nervos que passam pela planta do pé e em direção aos dedos dos pés. Para lidar com isso, precisamos suavizar ou redistribuir essa pressão.

Se o pé quente ou dormência chegar no verão, é provável que seus pés estejam inchando. A solução é afrouxá-los, se possível. Ou procurar sapatos que tenham espaço para respirar. As marcas são diferentes – Shimano e Bont são conhecidas por criar sapatos mais largos do que marcas como Specialized, Giro e Sidi.

PÉ QUENTE NO INVERNO

Se o problema surgir durante o inverno, você pode estar usando meias muito grossas para permitir espaço suficiente para o suprimento de sangue chegar aos seus pés. Nesse caso, procure meias que sejam finas e quentes (a lã Merino é sua amiga aqui). Ou invista novamente em um par de sapatos mais largo.

A colocação da presilha também vale a pena investigar – pode ser que a pressão não esteja espalhada corretamente pela planta do pé. Algumas travas têm uma plataforma maior que permite que a pressão seja mais amplamente distribuída – pedal Speedplay e sistemas de travas em particular.

DOR NA PARTE EXTERNA DO PÉ

Por fim, a dor na parte externa do pé pode significar que você não está sendo apoiado adequadamente pela palmilha do sapato quando o pé se desloca para fora. Palmilhas personalizadas podem ser moldadas para se adequar ao seu pé para fornecer suporte sob medida – muitas vezes corrigindo outros problemas, como dor no joelho causada por rastreamento incorreto.

Fascite plantar

Além do pé quente, outro problema notável nos pés, que frequentemente assola os corredores, mas pode afetar os ciclistas, é a fascite plantar. A fáscia plantar é uma faixa espessa de tecido que corre ao longo da parte inferior do pé, sua função é apertar enquanto damos um passo, para permitir a distribuição de força através da sola do pé.

A fáscia plantar pode ficar excessivamente tensa ou danificada por estresse indevido. Nesse caso, exercícios como rolar o pé sobre uma bola de tênis (ou uma garrafa d’água colocada no freezer para combinar a cobertura) podem ajudar a aliviar a tensão. Palmilhas personalizadas de longo prazo que suportam adequadamente o arco do pé podem evitar tensões indevidas.

Feridas de sela

Todos nós fazemos a piada estranha sobre a destruição que o ciclismo pode causar no material rodante. Mas os problemas podem se tornar graves o suficiente para forçar os ciclistas profissionais a abandonarem as corridas de palco. Então, meros mortais são perdoados por serem expulsos do banco.

Não se trata apenas do desconforto causado à área real. Se um ciclista começar a sentar-se torto no banco, tentando evitar pressão na pele, outras lesões podem surgir e podem ser mais difíceis de tratar. As feridas da sela variam. Mas qualquer área elevada da pele ao redor das nádegas ou parte inferior do corpo e causada pelo contato com a sela se enquadra na categoria.

Uma vez que a ferida de sela surge, o melhor a fazer é manter a área limpa (lavar com sabonete não perfumado) e seca. Se sentar no selim dói, tirar alguns dias de folga da bicicleta até que a pele zangada se acalme é uma boa ideia.

Prevenção

Mas quando se trata de prevenção, o que importa é o selim e os shorts de ciclismo. Porém, você precisa encontrar uma sela que se adapte a você (veja nossas rondas dos melhores selins masculinos e das melhores selas femininas) e certifique-se de que está montada reta.

De fato os shorts de ciclismo precisam se ajustar bem, com uma camurça que combine com o formato do seu corpo e um creme de camurça pode ser usado para ajudar a reduzir o atrito e matar qualquer bactéria.

É importante trocar o short de ciclismo rapidamente após um passeio, lavando-o após cada uso. Contudo, evite a remoção do cabelo ou mantenha para ‘aparar’, pois os pêlos encravados podem causar problemas.

Por fim, se você está lutando com um problema persistente, é uma boa ideia consultar um fisioterapeuta ou um médico. E lembre-se de que uma semana de descanso extra com uma doença menor é sempre favorável ao longo de vários meses de descanso, se ela se agravar. 

Foto destaque: Reprodução / Doug Pensinger / Getty Images

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *