skip to Main Content

A barriga inchada é um sintoma relativamente comum que costuma estar associado com a presença excessiva de gases intestinais, principalmente em pessoas que sofrem com prisão de ventre.

No entanto, se estiverem associados outros sintomas, como sangramento anal, aparecimento de hemorroidas ou pele amarelada, por exemplo, é importante consultar um gastroenterologistas para avaliar a situação e iniciar o melhor tratamento. Outra situação comum de inchaço na barriga é a má digestão, por isso, se acha que esse pode ser esse o problema.

As principais causas de barriga inchada incluem:

1. Excesso de gases

São a causa mais comum e geralmente ocorrem devido a situações como alimentação rica em gorduras, frituras ou doces. O consumo de alimentos muito condimentados, com temperos em excesso também são algumas das causas frequentes da barriga inchada, pois estimulam a formação de gases intestinais, que tendem a dilatar a região abdominal inferior.

O que fazer: comer devagar, não engolir ar ao comer e tomar chá de erva-doce são algumas opções naturais e simples para acalmar a produção de gases, aliviando os sintomas rapidamente. Pode-se também fazer uso de medicamentos, como o Luftal.

2. Prisão de ventre

A prisão de ventre pode estar relacionada ao baixo consumo de fibras, pouca atividade física e pouca ingestão de água, podendo afetar pessoas de todas as idades, embora seja mais comum em pessoas sedentárias e em acamados.

Além do inchaço da barriga, a prisão de ventre também é acompanhada de dificuldade para defecar e sensação de gases presos na barriga, por exemplo.

O que fazer: consumir alimentos ricos em fibras, pois favorecem a formação do bolo fecal, diminuindo a prisão de ventre e os gases associados a ela. Bons exemplos são aveia, muesli, farelo de trigo, alimentos integrais, frutas e verduras cruas ou cozidas em água e sal.

Além disso, pode-se ainda tomar diariamente um copo de iogurte natural batido com 1/2 mamão papaia. Esta receita não tem contraindicações e podem ser utilizada por pessoas de todas as idades.

3. Excesso de peso

Por vezes, a barriga não está somente inchada havendo acúmulo de gordura nesta região e neste caso é preciso fazer mudanças no estilo de vida e assim perder peso e queimar a gordura da região abdominal para solucionar o problema.

O que fazer: fazer exercícios diariamente e comer menos alimentos ricos em gordura e em açúcar, além de fazer acompanhamento nutricional e médico para redução de peso.

4. Menstruação

É muito comum as mulheres se queixarem de ter a barriga inchada durante o período da TPM e da menstruação. Isso ocorre devido ao acúmulo de líquidos na zona abdominal nessa fase, que tende a desaparecer naturalmente com o fim da menstruação.

O que fazer: para diminuir a barriga inchada durante a menstruação, o que se pode fazer é tomar um chá diurético, como o chá verde ou comer algumas fatias de melão, por exemplo.

5. Gravidez

Quando a barriga começa a ficar mais inchada do umbigo para baixo e a menstruação está atrasada alguns dias, isto pode ser um sinal de gravidez. É normal que a barriga comece a ficar mais proeminente abaixo do umbigo no 1º trimestre de gravidez e, com o passar do tempo, ela vai crescendo com uma forma mais uniforme até que chegue próxima aos seios.

Durante a gravidez, as mulheres tendem a acumular muitos líquidos, ficando com um aspecto todo inchado, principalmente nos tornozelos, mãos e nariz. Quanto a isto, o que se pode fazer é diminuir o consumo de sal e de sódio e beber bastante água. Não é recomendado tomar nenhum chá sem o conhecimento do médico, pois muitos podem provocar o parto prematuro.

6. Ascite

A ascite é uma condição médica onde ocorre o acúmulo de líquido na região abdominal, principalmente devido a problemas do fígado, como cirrose hepática, por exemplo. A barriga fica inchada não só pelo acúmulo de líquidos, mas também porque órgãos como fígado e baço ficam com suas funções alteradas.

O que fazer: caso se suspeite de ascite é recomendado consultar um gastroenterologista para avaliar a causa do problema e iniciar o tratamento mais adequado.

7. Obstrução intestinal

A obstrução intestinal é uma situação de emergência que acontece quando as fezes não conseguem passar pelo intestino devido à uma interferência no seu trajeto, surgindo sintomas como dificuldade para evacuar ou eliminar gases, inchaço da barriga, náuseas ou dor abdominal.

O que fazer: o tratamento para a obstrução intestinal varia de acordo com a localização e a gravidade dos sintomas, devendo sempre ser feito no hospital, já que pode ser necessária a realização de cirurgia.

Como desinchar?

  • Coma alimentos ricos em fibras e que facilitem a digestão, como legumes, verduras cozidas ou folhosos crus;
  • Evite refrigerantes, adoçantes artificiais e bebidas com gás;
  • Evite o consumo de alimentos processados;
  • Pratique exercícios físicos;
  • Consuma probióticos;
  • Procure um gastroenterologista para que a causa do inchaço possa ser diagnosticada e tratada corretamente.

Como aliviar a sensação de barriga inchada?

  • Substituir o pão comum pelo pão do tipo “pita” e torradas especiais sem glúten, assim como cereal ou qualquer alimento que contenha trigo;
  • Trocar o leite e derivados por produtos à base de soja, por exemplo;
  • Substituir os refrigerantes e sucos industrializados por água e coco, pois além de terem menos calorias, facilitam a digestão;
  • Trocar carnes vermelhas, produtos embutidos e enlatados por carne branca grelhada sem molho e produtos in natura;
  • Fazer exercício físico;
  • Apostar numa dieta mais rica em água e em alimentos com fibra;
  • Caso seja por retenção de líquidos: diminuir o sal da alimentação e como aumentar a ingestão de alimentos diuréticos, como a melancia ou o pepino, por exemplo;
  • Consumir chás com ação diurética, como o chá de salsinha, dente-de-leão ou cavalinha.
Dra. Angela A. Benicio de Lima

Farmacêutica, Bioquímica e Nutricionista

  • Graduanda em farmácia estética
  • Pós graduação em farmácia clínica e atenção Farmacêutica
  • Pós graduação em fitoterapia clínica
  • Formada em nutrição
  • Atua como farmacêutica há mais de 10 anos no mercado
    magistral, Com Inscrição no Conselho Regional de Farmácia N.46216

This Post Has 2 Comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.