Exercícios físicos x labirintite: provoca ou evita crises? - Blog Unicpharma
Shutterstock 1084865879

Exercícios físicos x labirintite: provoca ou evita crises?

A relação pode depender das causas da doença e dos hábitos do paciente

Antes de mais nada, é importante entendermos que o termo labirintite é utilizado de forma incorreta muitas vezes. Isso porque a labirintite está ligada a uma infecção do sistema vestibular, geralmente associada a meningites, que na verdade é bastante agressiva e rara.  
Isso quer dizer que o que ocorre na maioria das vezes é que o labirinto (parte interna do ouvido responsável pela percepção de movimentos do corpo e equilíbrio) é prejudicado por causas não infecciosas.
Ou seja, o labirinto pode ser afetado por fatores externos, como o uso de alguns medicamentos (veja também sobre manipulação em São Bernardo aqui), excesso de bebidas alcoólicas e/ou à base de cafeína, maus hábitos alimentares e tabagismo, ou fatores emocionais– a chamada de tontura de origem emocional. 
Ambos os casos podem desencadear crises com aqueles sintomas incômodos que bem conhecemos: vertigem, náuseas, vômitos, desequilíbrio, entre outros. Como muitas vezes o repouso pode ser recomendado, a dúvida se exercícios físicos podem agravar ou melhorar as crises ainda existe para muita gente.
A relação dos exercícios físicos com as crises
Então, vamos por partes para entender. Os exercícios físicos podem provocar uma crise? A resposta é sim, podem. Quando praticamos uma atividade física, queimamos muitas calorias, logo, há um desgaste natural do corpo. 
Se o indivíduo não se alimenta corretamente ou não possui um preparo adequado para o exercício, a glicose no sangue pode abaixar, causando um quadro de hipoglicemia. Por causa disso, podem ocorrer alterações no sistema vestibular e queda de pressão, que resultam na tontura, em geral como um  desequilíbrio, visão turva e mal-estar geral.
Dependendo da causa original das crises e se a pessoa estiver sob tratamento ou não, alguns exercícios físicos que envolvem movimentos muito rápidos, posicionamentos corporais distintos ou um desgaste físico maior também podem facilitar o aparecimento dos sintomas.
Os exercícios físicos na prevenção das crises
No entanto, o contrário também acontece. Ou seja, a atividade física pode contribuir para que a condição melhore. Por exemplo, doenças metabólicas podem ser uma das causas dos problemas do labirinto e elas são muito bem controladas com exercícios físicos.
Quando o problema inicial está no sistema vestibular, um dos possíveis tratamentos, inclusive, é a reabilitação vestibular, que consiste justamente em exercícios físicos que o estimulam para que ele se recupere, sob supervisão de um profissional.
Ainda, no caso da tontura relacionada a problemas emocionais, como estresse, ansiedade e/ou depressão, a atividade física faz parte do tratamento por ajudar a liberar a tensão e provocar a liberação de hormônios que relaxam e melhoram o humor. 
Por isso, o ideal é que você procure ajuda de um médico da área de otorrinolaringologia para descobrir primeiro as causas das suas crises e então quais são as recomendações para o seu caso.

, queimamos muitas calorias, logo, há um desgaste natural do corpo. 
Se o indivíduo não se alimenta corretamente ou não possui um preparo adequado para o exercício, a glicose no sangue pode abaixar, causando um quadro de hipoglicemia. Por causa disso, podem ocorrer alterações no sistema vestibular e queda de pressão, que resultam na tontura, em geral como um  desequilíbrio, visão turva e mal-estar geral.
Dependendo da causa original das crises e se a pessoa estiver sob tratamento ou não, alguns exercícios físicos que envolvem movimentos muito rápidos, posicionamentos corporais distintos ou um desgaste físico maior também podem facilitar o aparecimento dos sintomas.
Os exercícios físicos na prevenção das crises
No entanto, o contrário também acontece. Ou seja, a atividade física pode contribuir para que a condição melhore. Por exemplo, doenças metabólicas podem ser uma das causas dos problemas do labirinto e elas são muito bem controladas com exercícios físicos.
Quando o problema inicial está no sistema vestibular, um dos possíveis tratamentos, inclusive, é a reabilitação vestibular, que consiste justamente em exercícios físicos que o estimulam para que ele se recupere, sob supervisão de um profissional.
Ainda, no caso da tontura relacionada a problemas emocionais, como estresse, ansiedade e/ou depressão, a atividade física faz parte do tratamento por ajudar a liberar a tensão e provocar a liberação de hormônios que relaxam e melhoram o humor. 
Por isso, o ideal é que você procure ajuda de um médico da área de otorrinolaringologia para descobrir primeiro as causas das suas crises e então quais são as recomendações para o seu caso.

Voltar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *