Alimentação durante a gravidez: o que pode e não pode ser ingerido? - Blog Unicpharma
92727 Alimentacao Durante A Gravidez O Que Pode E Nao Pode Ser Ingerido

Alimentação durante a gravidez: o que pode e não pode ser ingerido?

Durante a gravidez, a fome aumenta e muitas mulheres passam a comer mais. Acontece que a quantidade não determina a qualidade da alimentação, mesmo porque alguns alimentos e bebidas precisam ser evitados ao máximo, pois podem afetar o desenvolvimento do bebê.

Quer saber o que pode e o que não pode ser ingerido durante esse período? Continue a leitura!

Saiba o que deve ser incluído na alimentação durante a gestação

Que a refeição deve ser rica em nutrientes, provavelmente você já sabe. No entanto, alguns alimentos podem ser especialmente benéficos durante a gestação. Confira:

Vegetais verde-escuros

Os vegetais verde-escuros são ricos em cálcio, ferro e ácido fólico — nutrientes que não podem faltar na alimentação da gestante.

O cálcio é importante para a formação óssea do bebê, o ferro auxilia no crescimento da placenta e o ácido fólico reduz o risco de anomalias congênitas e doenças vasculares.

Entre as melhores opções desses vegetais está a couve-manteiga, rica também em vitamina C, que ajuda o organismo a absorver todos os minerais.

Feijão

O tradicional feijão com arroz deve ser mantido durante a gravidez, já que o legume contém proteínas, cálcio, magnésio, zinco, vitaminas (principalmente do complexo B), além de fibras e carboidratos.

Quando ingerido com arroz, ele forma uma proteína altamente nutritiva, e suas fibras, depois de ingeridas, formam uma espécie de gel — proporcionando a sensação de saciedade.

Aveia

Durante a gestação, o sistema imunológico sofre uma baixa natural, deixando a mulher mais suscetível a infecções e outras doenças.

A aveia é um alimento que auxilia a manutenção ativa do sistema imunológico, além de ter muitas fibras solúveis. O grão também reduz o colesterol ruim (LDL) e ter diversos nutrientes, incluindo potássio, ferro, selênio, zinco, cálcio e ferro.

A indicação é de 20 a 30 gramas ao dia. Levando em consideração que uma colher de sopa média tem 20 gramas, é possível incluí-la facilmente no cardápio — seja em frutas, iogurtes ou vitaminas — para ter uma gravidez mais saudável.

Alimentos ricos em proteínas

As proteínas são muito importantes e devem ser incluídas na alimentação durante a gestação, pois auxiliam na formação e no crescimento do feto, dos tecidos maternos e da placenta.

A proteína pode ser encontrada em carnes — opte pelas magras, como patinho —, leite desnatado e ovos.

O que deve ser evitado

Assim como existem alimentos que podem — e devem — ser ingeridos, outros devem ser evitados. Conhecê-los é essencial para evitar complicações durante a gestação.

Aqui apresentaremos alguns deles, mas a consulta pediátrica é importante, mesmo antes do nascimento, para tirar esse tipo de dúvida.

Carnes e peixes crus

Carnes e peixes crus podem conter bactérias, além do toxoplasma — um parasita que se multiplica e ataca todos os órgãos através do sangue, causando infecção generalizada. Ele pode ser transmitido ao bebê e causar diversas complicações. Portanto, evite comer carne crua ou mal passada.

Os ovos também devem ser sempre bem cozidos para evitar também a salmonela, uma bactéria que provoca infecções alimentares graves e vários problemas na gestação. Então, nada de gema mole!

Cafeína

Embora a cafeína não seja proibida, ela deve ser consumida com muita cautela. O recomendável é ingerir apenas 300 mg por dia — cerca de três xícaras de 240 ml de café.

É preciso lembrar que ela está presente também em outros alimentos, como refrigerantes de cola, chá preto, chá mate, chocolate e chimarrão.

O consumo dessa substância em excesso pode causar problemas para as grávidas, como o baixo ganho de peso e até o nascimento prematuro do bebê.

Bebidas alcoólicas

O álcool é estritamente proibido em quaisquer quantidades, pois ele passa pela placenta e precisa ser metabolizado pelo fígado do bebê, podendo gerar problemas cardíacos, retardo no crescimento, malformações e outras complicações.

Produtos feitos com leite não pasteurizado

A pasteurização é um processo em que o leite é aquecido em alta temperatura, assegurando a eliminação de bactérias e a conservação dos nutrientes. O leite cru, que não é pasteurizado, pode estar contaminado, prejudicando a gestação.

Portanto, ele é um dos alimentos a serem retirados da alimentação durante a gravidez, assim como os produtos que dele forem derivados, como sorvete, doces, queijos, entre outros.

 

Voltar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *