IStock 954825080

Tudo sobre hepatite B

A doença é sexualmente transmissível e pode ser prevenida com medidas de segurança e vacinação

A hepatite B é uma doença infecciosa causada pelo vírus B (HBV). Como esse vírus está presente no sangue, no esperma e no leite materno, essa é considerada uma doença sexualmente transmissível.

Existem duas formas de hepatite B: a aguda e a crônica. A aguda é quando a infecção tem curta duração. A crônica é quando dura mais de seis meses.

Uma curiosidade: o risco da hepatite B se tornar crônica depende da idade na qual ocorre a infecção. Nas crianças com menos de um ano, esse risco chega a 90%. Entre um e cinco anos, de 20% e 50%. Em adultos, o índice cai para 5% a 10%.

Como se adquire a hepatite B

De acordo com o Ministério da Saúde, as principais formas de contaminação pelo vírus HBV são as relações sexuais desprotegidas com uma pessoa infectada.

Ainda pode-se contrair hepatite B na transfusão de sangue contaminado e na gravidez: a mãe infectada passa o vírus para o filho durante a gestação, parto ou amamentação.

Compartilhamento de material para uso de drogas (seringas, agulhas, cachimbos), de higiene pessoal (lâminas de barbear e depilar, escovas de dente, alicates de unha ou outros objetos que furam ou cortam) ou de confecção de tatuagem e colocação de piercings também é uma forma de transmissão.

De olho nos sintomas!

A maioria dos casos de hepatite B não apresentam sintomas, mas alguns sinais podem ser alertas: cansaço sem motivo, tontura, enjoo e/ou vômitos, febre, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras.

De acordo com o Ministério da Saúde, esses sinais costumam aparecer de um a seis meses após a infecção. Assim, pode-se dizer que a hepatite B é uma doença silenciosa. Manter seus exames médicos atualizados é importante para detecção e tratamentos precoces.

O diagnóstico da hepatite B é feito por meio de um exame específico de sangue. Se o resultado for positivo, o médico hepatologista irá prescrever o tratamento adequado.

Além dos medicamentos (quando necessários), indica-se cortar o consumo de bebidas alcoólicas por pelo menos seis meses, além de tomar remédios para aliviar sintomas como vômito e febre.

Previna-se contra a hepatite B

Evitar a doença é muito fácil. A recomendação do Ministério da Saúde é usar camisinha em todas as relações sexuais e não compartilhar objetos de uso pessoal.

Lâminas de barbear e depilar, escovas de dente, material de manicure e pedicure, equipamentos para uso de drogas, confecção de tatuagem e colocação de piercings são exemplos do que deve ser de uso exclusivo.

Tomar a vacina contra a hepatite B também é importante. Mas vale lembrar que a imunização só é efetiva quando se toma as três doses. Também é preciso respeitar o intervalo de um mês entre a primeira e a segunda dose e de seis meses entre a primeira e a terceira dose.

Manter a rotina do pré-natal é indispensável. Toda mulher grávida deve fazer exames para detectar hepatites, aids e sífilis. Esse cuidado é fundamental para evitar a transmissão da hepatite B de mãe para filho.

Lembrando: quando o resultado do exame da mulher dá positivo para o vírus HBV, é necessário seguir recomendações médicas específicas, inclusive sobre o tipo de parto e amamentação.

Voltar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *