O que é e como tratar a hérnia de disco - Blog Unicpharma
Dor Nas Costas Eduardosvezia

O que é e como tratar a hérnia de disco

A maior parte dos casos de hérnia de disco pode ser tratada com medicamentos e fisioterapia; cirurgias são exceções
A hérnia de disco é uma doença muito comum entre a população adulta e idosa. A condição atinge os discos intervertebrais da coluna, que funcionam como uma espécie de “amortecedor”, diminuindo o impacto de um osso no outro.
Entre esses discos existem um material mole, chamado de núcleo pulposo, que é revestido por um anel fibroso. Quando há um desgaste ou sobrecarga dos discos, esse anel sofre uma lesão, fazendo com que o núcleo macio ultrapasse seus limites, levando a uma herniação.
Os locais mais frequentes das hérnias de discos são na coluna cervical e lombar e podem gerar dores ou não e outras queixas. Geralmente, nos casos em que a hérnia comprime as raízes nervosas que emergem da coluna, as dores são intensas e podem irradiar para os membros.

Fatores de risco 
O surgimento da hérnia de disco está relacionado a fatores genéticos, envelhecimento e trabalhos sedentários e pesados.

Sintomas da hérnia de disco
– Dor na região afetada;
– Formigamento dos membros com ou sem dor
– Dor na coluna que irradia para a perna (e/ou coxa)
– Dor apenas na perna ou na coxa; dor na coluna e no braço; e dor apenas no braço

Diagnóstico 
Entre os principais exames solicitados para o diagnóstico da hérnia de disco estão o raio-X, tomografia e ressonância magnética. Além disso, o médico irá realizar uma avaliação clínica do paciente.

Tratamento da hérnia de disco 
A maior parte dos casos de hérnia de disco é tratada de forma eficaz com medicamentos, infiltrações no local afetado para alívio da dor e fisioterapia. A cirurgia só é recomendada quando há a presença de alterações neurológicas, especialmente a perda motora, e fracasso do tratamento conservador mencionado.
Nos casos de cirurgia, no local onde há a hérnia, pode ser feita uma fusão ou inserção de prótese de disco com o intuito de preservar o movimento.

 

Voltar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *