Fobia: quando o medo é excessivo - Blog Unicpharma
Shutterstock 480552229 1

Fobia: quando o medo é excessivo

Fobia é um termo para medo ou ansiedade acentuados acerca de um objeto ou situação (p. ex., voar, alturas, animais, ir ao dentista). O distúrbio é considerado pelos psiquiatras como um transtorno de ansiedade e pode trazer impactos negativos na qualidade de vida do indivíduo afetado.
Muitas vezes, quem tem algum tipo de fobia percebe que o medo é irracional, mas não consegue fazer nada a respeito. Muitas fobias podem interferir seriamente no trabalho, estudos e relacionamentos.

Causas da fobia

A fobia geralmente se desenvolve no início da infância, com a maioria dos casos se estabelecendo antes dos 10 anos de idade. As causas para esses distúrbios envolvem fatores temperamentais, ambientais, genéticos.
Temperamentais: maior vulnerabilidade a experimentar emoções negativas, como raiva, estresse e ansiedade
Ambientais: superproteção, perda e separação parentais e abuso físico e sexual na infância. Além disso, contatos negativos ou traumáticos com o objeto ou situação temidos estão entre as causas.
Genéticos: um indivíduo com um parente de primeiro grau com uma fobia específica de animais, por exemplo, tem probabilidade significativamente maior de ter a mesma fobia específica do que qualquer outra pessoa.

Tipos comuns de fobias

Fobia social: é uma preocupação extrema sobre situações sociais e pode levar ao autoisolamento.
Agorafobia: é um medo de lugares ou situações das quais não se pode escapar. As pessoas com agorafobia temem estar em grandes multidões ou presas fora da casa.
Glossofobia: é conhecida como ansiedade no desempenho ou medo de falar em público.
Acrofobia: se refere ao medo de altura. Pessoas com esta fobia evitam montanhas, pontes ou andares mais altos dos edifícios.
Claustrofobia é um medo de espaços fechados ou apertados. A claustrofobia severa pode ser especialmente incapacitante, impedindo de andar em carros ou usar elevadores.
Dentofobia: é um medo do dentista ou procedimentos odontológicos. Esta fobia geralmente se desenvolve após uma experiência desagradável no consultório de um dentista.

Alerta

De acordo com o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5), os indivíduos com fobia específica têm até 60% mais probabilidade de cometer suicídio do que indivíduos sem essa condição.

Diagnóstico

O diagnóstico de um tipo específico de fobia é feito por um psiquiatra com base na análise clínica do paciente.

Tratamento

O tratamento para fobia é realizado com a administração de medicamentos e psicoterapia.

 

Voltar

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *