skip to Main Content
Como as baixas taxas de vacinação contribuem para o aumento de variantes do coronavírus

À medida que casos do Omicron, variante do coronavírus, continuam surgindo em todo o mundo, os pesquisadores estão correndo para entender melhor a variante e seu impacto potencial na pandemia global de COVID-19.

A nova variante do coronavírus identificada pela primeira vez na África do Sul foi considerada uma “variante de preocupação” pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Isso fez com que vários países, incluindo os Estados Unidos, implementassem novas restrições a viagens na tentativa de impedir sua disseminação.

No entanto, ainda há muito a aprender sobre a variante Omicron. Autoridades de saúde pública dizem que é muito cedo para dizer o quão disseminado ela se tornará e para determinar seu verdadeiro impacto no curso da pandemia.

A Healthline pediu a dois especialistas especializados em virologia e doenças infecciosas que explicassem como as variantes como o Omicron se desenvolvem, por que o Omicron é considerado uma “variante preocupante” e como as baixas taxas de vacinação podem levar a variantes adicionais do coronavírus.

Como as variantes se desenvolvem 

Todos os vírus, incluindo o novo coronavírus, evoluem com o tempo.

“Sempre que alguém é infectado por um vírus, o vírus entra em seu corpo, entra em suas células e começa a fazer cópias de si mesmo (..) “E cada vez que o vírus se copia, há uma chance de cometer um erro”, explica a Dra. Marybeth Sexton, professora assistente de doenças infecciosas na Emory University School of Medicine.

Sexton compara isso a digitar uma transcrição – você está fadado a cometer alguns erros de digitação.

“É a mesma coisa com um vírus (…) Quando se copia, comete erros. A maioria desses erros não importa, mas, ocasionalmente, você receberá um erro que realmente torna o vírus mais contagioso, ou mais grave, ou causa outros problemas, como um tratamento ou uma vacina que não funcionam tão bem. E é aí que começamos a ficar preocupados”, afirma.

O que é uma ‘variante de preocupação’?

Desde que o SARS-CoV-2 foi identificado pela primeira vez em 2019, surgiram milhares de variantes. A grande maioria dessas mutações teve pouco ou nenhum impacto. Mas, dependendo de onde ocorrem as mutações no material genético do vírus, as propriedades do vírus podem ser afetadas, incluindo a transmissão e a gravidade da doença. A OMS atualmente categoriza as variantes em três categorias principais: variantes de interesse, variantes de preocupação e variantes de grande consequência.

“Essencialmente, isso nos diz o quanto devemos estar preocupados e com que rapidez precisamos agir para proteger a nós mesmos e às nossas comunidades”, diz Sexton.

OMS e coronavírus

De acordo com a OMS, uma variante de interesse (VOI) tem alterações genéticas que são previstas ou conhecidas por afetar a transmissibilidade, a gravidade da doença, o escape imunológico (como evasão de vacinas) ou uma alteração na capacidade de diagnosticar ou tratá-la. Um VOI também costuma causar um aumento na proporção de doenças em uma área ou um surto de agrupamento.

“Mas geralmente com uma variante de interesse, não estamos vendo casos enormes e generalizados nos Estados Unidos ou em outro país”, explica Sexton.

Uma variante de preocupação (VOC) atende a todos os critérios para um VOI, mas há evidências de que ela se espalha mais facilmente, causa doenças mais graves ou não responde tão bem aos testes, vacinas ou tratamentos atuais.

“Com uma variante de preocupação, não apenas precisamos observá-la, mas também precisamos agir com bastante rapidez para impedi-la de ir para a próxima categoria, que é uma variante de alta consequência”, explica Gary Whittaker, PhD, professor de virologia na Universidade Cornell.

Ainda não vimos uma variante de alta consequência, mas essa categoria significaria que o vírus foge de vacinas, testes de diagnóstico ou tratamentos. Também haveria doenças e hospitalizações muito mais graves.

“Basicamente, com uma variante de alta consequência, teríamos um grande problema”, diz Sexton.

Por que Omicron é uma ‘variante de preocupação’ do coronavírus

Embora ainda haja muito a ser aprendido sobre a Omicron, vários fatores a tornaram uma variante de preocupação.

“Uma é que há algumas evidências de que pode ser mais transmissível”, diz Sexton, “e isso se baseia no fato de que estamos vendo um rápido aumento no número de casos de COVID na África do Sul ao mesmo tempo que o a proporção de casos que eles identificam como sendo da Omicron está aumentando”.

O número de mutações que a Omicron tem também é preocupante.

“Ele tem muitas mudanças, ou muitos daqueles erros de digitação ou erros, em comparação com o vírus original”, explica Sexton.

“E ver isso começa a preocupar as pessoas sobre o quão bem nossas vacinas e tratamentos vão funcionar. Mas ainda precisamos de muito mais dados”, complementa.

Como as baixas taxas de vacinação podem levar a variantes adicionais do coronavírus 

Baixas taxas de vacinação podem levar a variantes adicionais do coronavírus de duas maneiras: uma está relacionada à população como um todo e a outra está relacionada ao indivíduo.

Como há uma chance de erros sempre que um vírus se copia, os vírus podem sofrer mutação toda vez que se replicam.

“Eles têm que espalhar e infectar novas pessoas a fim de replicar e cometer esses erros. E então, se você tem uma população totalmente vacinada, o vírus simplesmente não se espalha tão bem. E por isso não tem oportunidades de cometer esses erros. Mas se você tem muitas pessoas não vacinadas, vai ter muita propagação. E quando você se espalha muito, o vírus está se copiando. E quando está se copiando, você obtém mutações”, afirma Sexton.

A nível individual, quando uma pessoa contrai o SARS-CoV-2, a vacinação diminui a probabilidade de o vírus sofrer mutação.

“O que estamos começando a aprender é que, mesmo se você pegar uma infecção sangüínea, o que significa que uma pessoa foi vacinada, mas ainda pega COVID, essas pessoas não parecem ser contagiosas por tanto tempo (…) Isso porque, mesmo que o vírus seja capaz de entrar um pouco, eventualmente, a resposta do seu sistema imunológico que foi desenvolvida pela vacina entra em ação e o limpa mais rápido”, explica Sexton.

Em uma pessoa não vacinada, ele permanece no corpo por muito mais tempo, dando-lhe mais tempo para se copiar.

“Portanto, uma pessoa não vacinada que está infectada é uma incubadora melhor para fazer uma variante. Porque o vírus se copia mais dentro dela, e então uma população não vacinada permite que ele se espalhe”, diz Sexton.

A importância de ser vacinado e estimulado

“Por essas razões, é importante que todos sejam vacinados contra o COVID-19 e recebam a injeção de reforço quando forem elegíveis”, diz Whittaker.

Outras precauções que utilizamos, como usar máscara, lavar as mãos e distanciar-se socialmente também podem ter um grande impacto.

“Obviamente, se você não está se sentindo bem, não saia e se misture com outras pessoas. E se você estiver se sentindo bem, se puder ter acesso a testes rápidos regulares. Isso certamente será uma grande parte da maneira de lidar com isso também”, complementa.

Também é imperativo que a desigualdade das vacinas em todo o mundo. Logo, que causou atrasos ou lentidão na implementação das vacinas em países de baixa e média renda, abordada. De acordo com o Global Dashboard for Vaccine Equity , estabelecido pelas Nações Unidas, OMS e Oxford University, apenas 8% das pessoas em países de baixa renda receberam pelo menos uma dose da vacina COVID-19 até 8 de dezembro.

Comparado a 65% em países de alta renda, que começaram a vacinar suas populações em média 2 meses antes dos países de baixa renda. O acesso a vacinas em países de baixa renda permanece assustadoramente baixo.

“Esta é a definição de que estamos todos juntos nisso. Veremos o vírus se espalhar rapidamente em lugares que não vacinaram sua população. Portanto, esta é realmente uma configuração para que as variantes continuem a emergir de países subvacinados e desfavorecidos repetidamente até que consertemos isso. Assim, realmente faça com que o mundo todo tenha acesso à vacina”, conclui Sexton.

This Post Has 0 Comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.