O que é erisipela? - Blog Unicpharma
IStock 939837832

O que é erisipela?

Se não for tratada, a entrada de bactérias por meio da pele pode levar a uma infecção generalizada

De acordo com o Ministério da Saúde, erisipela é um processo infeccioso da pele, que pode atingir a gordura do tecido celular. O problema é causado por uma bactéria que se propaga pelos vasos linfáticos e não é contagioso. A erisipela pode ocorrer em pessoas de qualquer idade, mas é mais comum em quem tem diabetes, obesos e nos portadores de deficiência da circulação das veias dos membros inferiores (geralmente, idosos). 

Conheça as causas e os principais sintomas

Especialistas da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) explicam que a erisipela está relacionada a um fator chamado “porta de entrada”. Úlcera venosa crônica, pé de atleta, picada de insetos, ferimento cutâneo traumático e manipulação inadequada das unhas são exemplos de portas de entrada. É por meio delas que as bactérias penetram na pele e se espalham pelo organismo.

A principal bactéria envolvida é o Estreptococo Beta-Hemolítico do grupo A, porém, outras bactérias também podem estar envolvidas na infecção. Pessoas com baixa condição imunológica, obesas e com má circulação são as mais suscetíveis, de acordo com a SBD.

Muitas vezes, a erisipela tem início súbito e envolve sintomas como mal-estar geral, fadiga, febre e calafrios. Isso acontece antes mesmo de os primeiros sinais de infecção aparecerem na pele.

Outros sintomas de erisipela são avermelhamento em pontos locais da pele, dor, inchaço e aumento da temperatura. O aparecimento de inchaço nos gânglios linfáticos é comum.

De acordo com a SBD, em casos mais graves, podem surgir formação de bolhas, escurecimento de parte da pele que é afetada e até quadros de sepse, ou seja, infecção generalizada com risco de morte.

A erisipela tem tratamento

Os especialistas do Ministério da Saúde explicam que o tratamento da erisipela é uma combinação de várias medidas realizadas ao mesmo tempo e só deve ser administrado pelo médico dermatologista:

– Uso de antibióticos específicos para eliminar a bactéria causadora;

– Redução do inchaço, fazendo repouso absoluto com as pernas elevadas, principalmente na fase inicial. Pode ser necessário o enfaixamento da perna para que desinche mais rapidamente;

– Fechamento da porta de entrada da bactéria, tratando as lesões de pele e as frieiras;

– Limpeza adequada da pele, eliminando o ambiente propício para o crescimento das bactérias;

– Uso de medicação de apoio, como anti-inflamatórios, antitérmicos, analgésicos e outras que atuam na circulação linfática e venosa.

As melhores medidas preventivas, de acordo com a SBD, consistem em: investir em medidas de limpeza local; evitar as “portas de entrada” (como traumas, picadas de insetos, dermatoses cutâneas – tipo pé de atleta); ter atitudes que reduzam a insuficiência linfática e venosa e ter um melhor controle do diabetes.

Voltar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *