Monte o cardápio a partir do seu tipo metabólico - Blog Unicpharma
Dieta Tipo Metabolico Site

Monte o cardápio a partir do seu tipo metabólico

Percebendo que nem sempre um programa alimentar que funciona bem para algumas pessoas faz o mesmo sucesso entre outras, o médico Wilson Rondó Jr., especialista em terapias antioxidantes, decidiu fazer pesquisas sobre o assunto. O resultado está no livro Emagreça e apareça Descubra seu tipo metabólico, em que o autor defende que cada paciente tem necessidades nutricionais específicas. É a nutrigenômica em ação, que destaca de forma única, pessoal e inédita o papel dos genes no funcionamento do metabolismo de cada pessoa, diz ele no livro.

A partir do conceito de individualidade bioquímica, o especialista apresenta a dieta do tipo metabólico. Para descobrir qual o seu tipo metabólico e qual o cardápio mais recomendado para você, muitos fatores se aliam, como idade, estilo de vida, condições de saúde física e, inclusive, aspectos psicológicos. Conforme informa o especialista, esse tipo de informação e alguns exames clínicos e de laboratório formam a sólida base que contribui para o sucesso do tratamento .

A obra, no entanto, ajuda os interessados a identificar seu perfil metabólico. Respondendo um teste detalhado com 65 questões com múltiplas alternativas, é possível descobrir qual o tipo metabólico. Os conselhos sobre como se alimentar a partir do tipo que você faz parte, você confere a seguir.

Tipo Proteína

Perfil: por ter muito apetite, pessoas do tipo Proteína demoram a se sentir satisfeitas. A tendência é comer em excesso, portanto. É comum também preferirem alimentos bem salgados. Caso consumam muito carboidrato refinado, um grande desejo por doces é mais uma possibilidade. Outra característica dos indivíduos do tipo Proteína é não se adaptar bem a dietas com restrição de calorias. O resultado é que elas podem não emagrecer com dietas restritivas ou, até mesmo, engordar.

Cardápio recomendado: o menu do grupo que apresenta o tipo Proteína, segundo Wilson Rondó, deve ser composto por 70% de proteínas e gorduras, e 30% de carboidratos. O autor explica que é importante incluir algum tipo de proteína em todas as refeições, já que ela é o nutriente responsável pela energia e manutenção da boa forma dos indivíduos com este tipo metabólico. Prefira as proteínas de origem animal em vez de proteínas vegetais , aconselha o especialista. Ele esclarece que é importante priorizar as proteínas de alta densidade e ricas em purinas (substâncias derivadas de uma classe de proteínas chamadas nucleoproteínas, que desempenham uma parte importante nos processos de produção de energia nos tecidos), pois elas fornecem o combustível ideal às células.

Mais conselhos: ao colocar vegetais no prato, controle seu consumo, já que eles são ricos em amido. Rondó explica: o amido presente em grãos, verduras, legumes e frutas se transforma rapidamente em açúcar, causando uma elevação dele no sangue.

A resposta rápida do pâncreas para controlar o açúcar tende a causar problemas como hipoglicemia. A ingestão de pão também precisa ser controlada. Coma-o com manteiga para minimizar qualquer reação adversa de alteração da glicemia , aconselha o autor do livro. A cafeína também não é indicada para o tipo Proteína. Se o café for irresistível, que seja orgânico e limitado a uma ou duas xícaras por dia , dá a alternativa.

Tipo Carboidrato

Perfil: pessoas do tipo Carboidrato podem se sentir bem com três refeições ao dia. Ou ainda, fazer duas refeições e vários lanchinhos. Independente da rotina alimentar, satisfazem-se com facilidade , relata Wilson Rondó em seu livro. Como não costumam ter problemas com os doces, é comum recorrerem a eles quando sentem fome fora de hora ou para levantar a energia. Normalmente, são pessoas magras, mas, como são levadas a consumir lanchinhos à base de doces, podem passar a ter problemas com obesidade.

Cardápio recomendado: a dieta dos indivíduos do tipo Carboidrato precisa ser composta por menos quantidade de proteínas e gorduras em relação aos carboidratos, sendo representados por 40% e 60%, respectivamente. De acordo com Rondó, como a tendência destas pessoas é metabolizar lentamente os alimentos, é importante evitar exageros em proteínas e gorduras. Esses alimentos diminuem ainda mais a produção de energia , ressalta. Ele diz ainda que, apesar de se darem melhor com os carboidratos, pessoas com esse perfil não podem compor seus pratos apenas com eles. Ao cometer esse erro, arriscam-se a alterações no metabolismo e distúrbios de glicemia. Consumindo proteína nas refeições principais, o especialista garante que não tem problema fazer lanches intermediários só com carboidratos, como o consumo de frutas, por exemplo.

Mais conselhos: apesar de excelentes fontes de carboidratos e proteínas vegetais, os legumes são ricos em purinas, uma categoria de proteínas não apropriada para quem apresenta este tipo metabólico. Rondó ressalta que eles podem fazer parte da mesa, porém, a moderação é importante. O especialista aconselha também a diminuir o consumo de óleos e gorduras, mas não eliminá-los, de vez, do cardápio. Óleos são muito importantes para a estrutura das membranas celulares, participam da produção hormonal, têm função imunológica e atuam numa ampla variedade de processos metabólicos , lista as tarefas do nutriente.

Tipo Misto

Perfil: o apetite das pessoas do tipo Misto é bem variável, conforme a obra de Wilson Rondó. Mais uma característica comum deste tipo metabólico é que os indivíduos não apresentam desejos específicos. Se a alimentação não for regrada, no entanto, fadiga, ansiedade e nervosismo entram em cena. Rondó diz que, por ser uma mistura dos tipos Carboidrato e Proteína, o tipo Misto é o mais liberal dos três e o equilíbrio entre os nutrientes é a atitude mais recomendada.

Cardápio recomendado: O equilíbrio entre proteínas, carboidratos e gorduras é a chave para perder peso, preservando a energia física e mental , garante o especialista, aconselhando que proteínas e gorduras representem 50% do cardápio e carboidratos, os outros 50%. Na prática, ele lembra que é preciso incluir proteína nas refeições, a fim de evitar cansaço e ansiedade. O autor alerta que muitas pessoas do tipo Misto abusam apenas dos carboidratos, causando desejos por doces e levando a alterações de glicemia, entre outras conseqüências.

Mais conselhos: Indivíduos do tipo Misto precisam evitar pães feitos com farinha refinada para não estimular a resposta de insulina. Uma alternativa é fazer da manteiga e dos embutidos, acompanhantes dos pães. Rondó explica que eles evitam a liberação rápida de insulina. As frutas também precisam ser consumidas com moderação pelas pessoas do tipo Misto. Pela alta concentração de açúcar e potássio que contêm, elas têm o poder de desregular o metabolismo da insulina , esclarece.

Voltar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *